sábado, 22 de setembro de 2012

Paixão rubro-negra. Muito além dos gramados...

Estava eu, lendo uma matéria na revista Cláudia (edição 467, agosto 2012), escrita pela jornalista Elisa Tozzi, quando ela cita um editor com quem trabalhou. Segundo ele (o nome não é divulgado), "uma mulher de vermelho não tem medo de se arriscar. Basta colocar um vestido dessa cor para que aquela força apareça. Uma mulher de preto é diferente. Porque de preto ela até quer chamar a atenção, mas tem algo a esconder".

Essa frase me chamou muito a atenção porque vermelho e preto são minhas cores favoritas. E  não tem nada a ver com o fato de eu ser Flamenguista. Gosto dessas cores. Sempre gostei. Admiro o vermelho. Cor forte, associada à paixão. Mas evito usar. Não sei, acho que sou muito branca... Prefiro o preto, cor discreta. E concordei com o tal editor. 


De acordo com a cromoterapia, a cor vermelha pode ser associada à força do bem e poder da cura, mas também ao autoritarismo. A cor simboliza o calor, a nobreza, audácia, as paixões e sexualidade. Traduz a agressividade, a ação, conquista, liderança, atividade. Quando em excesso pode também representar o mau humor, irritação, violência, perigo, destruição, o ódio e a ira. 
Sua personalidade é definida pela impulsividade, extroversão, vitalidade. Animação, força e dinamismo. Utilizada por quem quer ser notado, impor atenção, festividades. Atrai vida nova e pontos de partida inéditos. Afetuosidade e perdão são duas belas qualidades dessa cor, assim como prosperidade e gratidão.
O vermelho traz vigor às funções físicas e atenua a inércia, a melancolia, tristeza, depressão e letargia. Ele transfere a energia necessária à reconstrução e à fortificação do corpo. 
A cor vermelha é a cor do elemento fogo, do sangue e do coração humano. É uma cor quente. Tende a atrair o olhar das pessoas e chamar a atenção. Se você usar vermelho, isso pode indicar que tem ardor e paixão, ferocidade e força.
Na Europa o vermelho represente o perigo, amor e excitação. Na China, boa sorte, celebração, alegria, felicidade, vitalidade. É a cor tradicional das noivas. Na Índia significa pureza. Na África do Sul, luto. 


A cor preta é a inexistência de cor ou ausência de luz. Significa negação. Normalmente está ligada ao erro, pecado, morte ("reino das trevas", tristeza, luto); ao ódio e culpa; à seriedade e autoridade (vestimentas sacerdotais, togas de juízes); e à elegância e refinamento. 
Quando em excesso pode representar introversão, intolerância, renúncia e apatia. Sua personalidade indica reserva, pessoas não dispostas a abrir mão das coisas, elegância, sobriedade e resguardo.
O preto é ao mesmo tempo cor de proteção e mistério. Está relacionado ao silêncio, ao infinito. Também associada à ideia de morte, luto e terror. Quando brilhante, confere nobreza, distinção e elegância.
Uma análise psicológica sugere que a cor preta é expressiva e angustiante ao mesmo tempo. Transmite introspecção, favorecendo uma autoanálise. Pode nos impedir que mudemos e cresçamos como pessoas porque é uma cor que nos ajuda a isolar-nos e esconder-nos do mundo. O uso em excesso estimula a melancolia, depressão, tristeza, confusão, perdas e medo.
Na Europa o preto é sinônimo de luto, rebelião. Na Tailândia, de azar, infelicidade. Na China é relacionada aos garotos jovens.



Em cada lugar, por cada pessoa, as cores podem ser interpretadas de formas diferentes. Posso concluir que tenho um pouco das características de cada uma. Mas, como disse aquele editor lá do início do texto, o vermelho chama atenção enquanto que o preto nos mantém em menor evidência. 
Não sei se tenho algo a esconder como ele afirmou, mas sei que não gosto de chamar atenção. E embora eu ache o vermelho uma cor linda, prefiro não usá-la. Não tenho essa força ou poder. Guardo o vermelho para pequenos detalhes. Um brinco, uma unha pintada. Algo pequeno. Mantenho o preto. Discreto, misterioso. introspectivo. Pois sou assim. 



Sou o preto. Mas muitas vezes desejando ser o vermelho. Quem sabe um dia...



segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Sem medo de ser feliz...

Já faz muito tempo que não escrevo aqui... E nesse "muito tempo", muitas coisas aconteceram... Coisas boas e coisas ruins. Coisas que me fizeram muito feliz e outras que me deixaram muito triste. Mas principalmente, coisas que me fizeram pensar sobre minha vida, quem sou ou quem quero ser. Onde quero estar e o que quero fazer.


Eu vi pessoas muito queridas indo embora... Isso me ensinou que a vida não é sempre do jeito que queremos. Por mais que você ame alguém, isso não é razão para que essa pessoa fiquei. Não nos cabe decidir. Existem forças maiores que definem quem vai e quem fica em nossa vida. E não é o fim do mundo. Mesmo que alguém vá para longe, as boas lembranças ficam. É o que as tornam especiais...

Também vi pessoas maravilhosas chegando. Descobri amigos que nunca poderia imaginar. Ganhei duas irmãs que aprendi a amar. Conheci pessoas lindas, de alma e coração, que a cada dia me ensinam um pouco mais, me fazem rir, me ajudam a superar as dificuldades diárias que a vida impõe. Porque ela é assim: tira de um lado, mas dá de outro. E só podemos agradecer por isso...


Reencontrei velhos amigos... Aqueles que sempre estão lá, mesmo que não os veja... Mas quando menos espera ou quando mais precisa, estão ao seu lado! Porque amigos são assim. Pode passar o tempo que for, ir cada um para um lado, mas eles estarão sempre com você. Não existe distância que separe ou impeça uma amizade...

E todas essas pessoas, que foram ou chegaram, me fizeram pensar sobre mim... "Cada uma que chega traz um pouco de si, e cada uma que parte leva um pouco de nós". Mas... quanto? Quem eu sou realmente? O que eu vejo quando olho no espelho? Quando olho para dentro... Será que sou e faço aquilo que quero e gosto ou o que os outros esperam de mim? E descobri a resposta...

Percebi que o que eu sou, nada e nem ninguém pode mudar. Não faço tudo o que quero... Não por medo, mas por falta de oportunidade. O que não significa que nunca será feito. Mas na minha essência, eu sou o que quero ser. Sei que nem sempre agrado, mas não vim ao mundo para agradar ninguém senão a mim mesma. Basta tomar cuidado para não magoar ou ferir alguém...


E decidi criar coragem para fazer algumas coias que sempre tive vontade... E como isso aconteceu? Simples, por causa de um problema de saúde precisei ser submetida a uma cirurgia... Tive muito tempo para pensar durante o tempo de repouso e percebi que se não fizer o que quero agora, a vida não vai parar e esperar que eu faça.

Foi fácil tomar essa decisão? Claro que não!!!!!! Mas foi necessário. E estou feliz com as escolhas que fiz. Ainda não puderam ser colocadas em prática, mas não vai demorar muito. E estou tão empolgada!!!! Faz tempo que não me sinto assim tão bem. E desejo que essa sensação dure muito tempo...

Mas o mais importante é que eu escolhi ser quem eu sou. Sem medo de ser feliz.



"It's time to begin, isn't it, I get a little bit
Bigger, but then, I'll admit, I'm just the same as I was
Now don't you understand
That I'm never changing who I am"
(It's Time - Imagine Dragon)

terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

Um tesouro escondido...



Hoje eu fiz uma incrível descoberta: eu gosto de ser professora!!!!!!

Mais um dia de trabalho. Mais duas turmas. Mais uma reunião. Mais um dia que cheguei em casa cansada, mas feliz.

A primeira turma do dia foi uma grata surpresa. Foram meus alunos no ano passado. Uma turma divertida, com quem eu gostei muito de trabalhar. E o que dizer da recepção calorosa deles? Muitos beijos, abraços, boas vindas. Não podia ter começado melhor o meu dia! Nem lembrei que tinha acordado as 5h da manhã e estava com sono. E quem sente sono com aquela garotada divertida? Impossível!!!!

Logo depois do recreio peguei uma turma nova... Fui um pouco assutada, pois a fama deles não era das melhores... Mas logo descobri que não podemos rotular uma turma. Sempre tem um ou dois ou cinco que você percebe logo que vai dar um pouquinho mais de trabalho, mas não significa que a turma seja ruim. E não foram. Bem, não no primeiro dia...



Mas tem também aqueles alunos que só servem para atrapalhar! Poxa, lá estava eu fazendo meu discurso de primeiro dia de aula, de professora nova querendo bancar a durona e lá me entra uma aluna do ano passado pela porta para me beijar e abraçar e dizer para a turma toda que sou a melhor professora da escola... Pronto, foi o suficiente para me entregar! Sem essa de bancar a professora durona! Vamos nos divertir! Afinal, inglês é para ser divertido. Ao menos para mim... E mais uma turma foi conquistada. Ou me conquistou...

E o que dizer então, de uma aluna que apesar de já ter deixado a escola (lá só tem ensino fundamental...) te espera na hora da saída para te entregar uma cartinha dizendo o quanto você é especial? Que não pode me definir pois sou indefinível? Confesso, quase chorei no ônibus quando li...

Mas principalmente, me senti feliz. Amo ser tradutora. Não existe prazer maior do que o de pegar um  livro em Língua Inglesa e poder traduzir para a Língua Portuguesa e permitir que outras pessoas tenham acesso àquela história que antes só alguns poucos teriam. Mas descobri que também amo ser professora! Que é maravilhoso poder ver no dia a dia o retorno do seu trabalho, em um abraço, em um aceno vindo do corredor, em recados e depoimentos no Orkut e Facebook...

E principalmente: AMO os meus alunos! Eles acabam se tornando parte da minha história, da minha vida, parte de mim. É como se nos tornássemos uma grande família. E tenho certeza, de que daqui há alguns anos, alguns deles ainda estarão fazendo parte dessa grande família. Os que já passaram e os que ainda vão chegar. Mas certamente, cada um deles terá um lugar especial no meu coração. Afinal, todos me ensinaram a ser o que sou agora: uma Professora com muito orgulho!



segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

Welcome again!!!!!!!!!!


Pois é, eu sumi! Mas estou de volta!!!!!!
E agora espero que seja para ficar.

Janeiro foi um mês de turbulências. Parece que tudo de ruim que aconteceu em 2011 foi jogado no liquidificador  e jogado em cima de mim novamente... Me senti em  uma verdadeira montanha russa de emoções, mas felizmente passou! Thank God!!!!!

E fevereiro já chegou com a corda toda!!!!!!

Voltei ao trabalho na maior alegria e disposição. É verdade que ainda não dei aula... Foi mais reunião que outra coisa. Só entrei em sala com uma turma. Mas uma turma nova. Uma delícia!!!!!! Adorei meus novos alunos do 7° ano (antiga 6ª série). Tudo bem que só tinham 14 crianças em sala, mas são meus! Minha turma! E não de outro professor que eu entrei para substituir... E amanhã vou pegar turmas de alunos do ano passado, que também são meus. Por uso capião. Eu me apaixonei pelos meus alunos. Achei que nunca fosse gostar de dar aulas, mas estou super empolgada!!!!



As aulas também voltaram na pós. Apavorante!!!!! Começamos o ano logo com uma aula de interpretação. O que é isso? Tradução oral! Tudo o que eu mais temia!!!!!!!!!! Ah, eu não contei? Tenho medo de falar inglês. Pois é, não sei o que acontece, mas chega na hora me dá um medo, um nervoso que bloqueia minhas cordas vocais e tudo que consigo é gaguejar... Eu sei, eu sei... Preciso superar isso... Por isso estou pensando em me matricular em uma aula de conversação. Pois é disso que preciso, prática. Afinal, conhecimento eu tenho.
Mas voltando para a aula da pós, foi uma delícia!!!!! Rever meus amigos, passar o dia todo em uma sala de aula aprendendo, coisa que adoro, e com  uma professora super gracinha, a Marcelle. Se tornou minha heroína... Afinal, qualquer interprete é meu ídolo. Como o Jean, por exemplo. Um dia quando eu crescer quero ser como vocês! Pensando bem... Não quero não! Gosto de tradução escrita e não oral. Quero traduzir livros, literatura fantástica com muitos dragões... Acho que viajei agora, né? Mas é exatamente isso. Traduzir para mim é como ler: uma viagem a um mundo desconhecido. Um prazer enorme.
Mas então, a aula, lembra? Pois é, a professora mandou que fizéssemos um exercício em dupla: um tinha que falar e o outro traduzir. E eu consegui! Falei inglês na frente da turma e acho que me saí bem! Estou orgulhosa de mim!



Ah! Semana passada também fui ao cinema assistir As Aventuras de Tintim em 3D. Foi aniversário dele e fomos ao cinema comemorar. Aconteceu uma história muito engraçada. Nós nos desencontramos e cada um foi parar em um shopping diferente... E ficamos mais de uma hora esperando um ao outro... Também, mania feia de sair de casa e não levar o celular... Mas valeu a pena, rendeu boas risadas. E o filme também foi divertido. Sem falar a companhia super maravilhosa...

A única coisa chata até agora é que fevereiro chegou e levou minha voz... Como vou dar aula assim? Claro que já fui no médico e já estou tomando remédio, mas vou ter que reforçar os cuidados, né? Afinal, uma professora não pode ficar sem voz... Nem uma mãe.

Resumindo, fevereiro só tem uma semana, mas já chegou com toda alegria que eu espero que se mantenha durante o resto do ano. Acho que era disso que eu precisava: agito! Essa coisa de férias já estava muito chata. Mas vamos esperar para ver se vou continuar falando isso até junho...

See you!

domingo, 8 de janeiro de 2012

O peso das palavras


Sabe aquelas vezes em que temos tantas coisas a dizer mas não conseguimos, não encontramos as palavras? Pois é, eu estou assim hoje... Existe um turbilhão de pensamentos e emoções dentro de mim, mas não sei como expressá-los verbalmente (ou por escrito). E são por causa de momentos assim que muitas vezes perdemos aquilo que realmente queremos ou precisamos.

Muitas vezes deixamos de falar o que se passa em nossos corações, ou pior ainda, falamos uma coisa que acaba parecendo outra, algo que não sentimos... Quem nunca disse que odeia o pai ou a mãe quando era criança por ter levado uma bronca ou uma palmada? Ou quem nunca magoou um amigo por falar a coisa certa na hora errada? As palavras têm um peso que muitas vezes não percebemos e acabam por ferir quando menos esperamos.

Mas a pior das situações é quando você fala uma coisa que é mal interpretada. Sabe aquelas situações em que você diz algo e a outra pessoa entende exatamente o contrário do que você quis dizer? E não há nada no mundo que faça com que essa pessoa acredite que se enganou?

Recentemente passei por uma situação assim. Magoei muito uma pessoa por ter dito coisas que me pareceram inocentes. Mas não eram... Não na cabeça dele... E agora acho que perdi um grande amigo por causa de palavras que foram mal interpretadas...Não imaginei o tamanho da dor que estaria causando. Mas causei. E agora não sei como consertar. Na verdade não parece ter conserto... Na cabeça dele não importa o que eu falei e sim o que ele entendeu.

Não sei se esse amigo especial vai ler o que estou escrevendo agora, mas de qualquer forma gostaria que ele soubesse que sinto muito. Nunca foi minha intenção magoar ou causar a dor que causei. Mas posso afirmar com toda certeza que ele entendeu errado cada palavra que eu disse. E no fundo eu acho que ele sabe disso, só está magoado demais para admitir...

Mas dizem que o tempo é um ótimo remédio e eu vou esperar que ele (o tempo) faça seu efeito. Afinal, a verdade sempre vence, certo?

sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

Qual é o seu prazer?

Prazer é uma sensação de bem estar.


Em um dos meus momentos difíceis, uma querida amiga me emprestou um livro que fala sobre o prazer. E da culpa que muitas vezes sentimos ao nos entregar à eles. Estou gostando do livro e ando pensando sobre o que me dá prazer...

E é sobre isso que quero falar hoje. O que é prazer? Bem, eu defino prazer como algo que faz com que eu me sinta bem, feliz. E tenho algumas coisas que me fazem sentir assim. Coisas simples, muitas vezes bobas para outras pessoas, mas que realmente me fazem muito bem.


Livros realmente são coisas que me dão prazer. É uma sensação indescritível ganhar ou comprar um livro e tê-lo pela primeira vez em minhas mãos, com seu cheirinho de novo! Eu amo! Alguns livros não são tão bons, não prendem muito a minha atenção, mas normalmente me forço a ler até o fim... Já outros não consigo parar de ler até que chegue ao fim! Difícil quando estou lendo uma trilogia ou uma série... Acabo um e já fico louca para ler o outro! Foi assim com Harry Potter (sim, eu sou fã da série!), está sendo assim com a coleção do Eragon (aquele do filme) e das Crônicas de Arthur. Mas nem sempre tenho tempo para ler tudo que quero. E acabo lendo dois ou três livros ao mesmo tempo...



Outra coisa que me dá muito prazer é comer. E como sem culpa!!!! Meu pai sempre diz que se eu continuar comendo assim vou ficar gorda, mas não me importo. Meu lema sempre foi: "prefiro ser uma gordinha feliz do que ser uma magrela insatisfeita." E como tudo que tenho vontade. O quanto quero. Quer um exemplo? Adoro rodízio de massas! E como de todas. Ou quase todas. Não gosto de banana nem de qualquer tipo de peixe. Também adoro hambúrguer e descobri que quando eu era criança o Big Mac era maior... Hoje em dia é como se ele fosse o Mc Lanche Feliz da minha infância, mas sem o brinde... Sempre acabo ficando com a sensação de que comeria mais um... Estrogonofe é outra coisa que me faz perder a linha! Quando minha avó faz (e geralmente é na casa dela que como) costumo arrumar aquele prato de peão!!!! O macarrão da minha mãe é outra coisa que como com muito prazer. Eu adoro macarrão, mas não sei fazer, e não acho que tenha outro melhor do que o que minha mãe faz. Adoro!



Filme é um outro prazer maravilhoso! Sozinha, acompanhada, em casa, no cinema, não importa. O importante é assistir aos filmes que quero. Alguns eu gosto tanto que compro o DVD e assisto dez, quinze, cem vezes! Não faz diferença se é um filme de ação, comédia, drama ou romance, só não gosto de filmes de terror. Se puder ser acompanhado de um boa pipoca salgada cheia de leite condensado fica melhor ainda!!! Ah! E tem que ser com som original e legenda! Nada como assistir um bom filme em inglês... Se for britânico então... Adoro o sotaque britânico! Acho lindo. Um dia eu aprendo a falar como eles...


Tradução é  outro grande prazer da minha vida. E meu ideal de emprego. Sou apaixonada pela língua inglesa e pelos livros, então não poderia existir trabalho mais prazeroso para mim do que a tradução. Ainda não consegui fazer da dessa a minha única fonte de renda, mas não é menos prazeroso por isso.

Ultimamente meu maior prazer tem sido conversar com meu amor. Ele me faz feliz, me dá paz... É muito bom ter com quem conversar sobre os mesmo assuntos que você gosta. Falamos sobre música, motos, estudos...

Mas, voltando ao livro que estou lendo, ele se chama O prazer é meu: um plano revolucionário para livrá-la da culpa e ajudá-la a criar a vida que você quer, de Maria e Maya Rodale, que você pode dar uma olhada aqui: 
http://www.skoob.com.br/livro/114260


Achei uma descrição bem legal em um outro site:
"A liberdade de pensar em si, nos seus prazeres. Um livro escrito a duas mãos, por mãe e filha, duas gerações de mulheres numa cúmplice busca da sua identidade e força. Invocando uma certa revolução do prazer, deixam inesperados conselhos para que se sinta inteira, plena de energia, vivendo de corpo e alma todos os prazeres da vida. Descubra tudo o que se pode oferecer – tudo a que tem direito - num vivo e divertido guia prático. Das antigas religiões da Deusa à história de algumas das mais carismáticas mulheres de sempre, alia-se realismo e sabedoria. Cabe a si mudar a sua vida, transformá-la na sua conquista do prazer.   Auto descoberta. O prazer de que as autoras falam, Maria e Maya Rodale, não é apenas sexual, mental, social ou íntimo. A revolução sugerida por estas duas mulheres começa em si, a partir de si: quando se dá o direito de se sentir de bem consigo mesma e com a vida. Podem depois haver momentos de felicidade ou de menor felicidade, mas saberá que está no seu caminho, a lutar pelo que acredita pelo, por aquilo que é.   Maria Rodale, hoje uma mulher de sucesso, responsável pela editora norte-americana Rodale Inc., teve a sua primeira filha, Maya, aos vinte anos. Cresceram por isso cúmplices, amigas. Quando Maya decidiu estudar literatura, dedicando-se ao estudo da ficção feminina, a mãe lançou-lhe um desafio: escrever um livro. «O Prazer é todo meu» alia por isso realismo e determinação. Não se oferece uma fórmula mágica de felicidade mas uma possibilidade de mudança. 
Preocupada com os outros, num constante saltitar entre tarefas e afazeres, a mulher moderna não tem por vezes tempo para si. Partindo de toda uma mitologia ligada ao feminino, e à sua força, partilha-se ainda a história de mulheres que pela escrita, pela ciência, pela história, pela política ou pela arte souberam fazer a sua “revolução do prazer”. Este livro desafia-a a ultrapassar as convenções. Seja pela sexualidade, pelo trabalho, pelo amor, pela forma como usa o seu tempo, pode ainda afinal apaixonar-se por si, pela vida."

quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

Depressão: O Mal do Século




















Pois é, o assunto hoje é sério.

Não é fácil assumir que temos um problema ou uma doença. Principalmente uma doença considerada por muitos como frescura. Mas não é. Depressão é coisa séria. E hoje eu confirmei o que tanto temia.

Mas o que leva uma pessoa a ter depressão? Não sei, depende de cada um. Sei o que aconteceu comigo, por anos a fio. Sim, porque eu não acordei um belo dia e pronto! Lá estava ela! Depressão não é uma doença contagiosa, não pegamos no ar ou através da picada de um mosquito. Depressão é uma doença silenciosa, que chega de mansinho e vai ficando. E com o tempo vai aumentando. E graças ao preconceito de algumas pessoas muitas vezes a depressão é vista como doença de gente rica, de quem não tem o que fazer. E só nos damos conta de que ela está lá quando a situação fica feia... Mas volto  a dizer, depressão é coisa séria e precisa ser tratada.

Encontrei uma explicação bem legal em um site:
"É uma doença física como outra qualquer, só que desorganiza as reações emocionais.
A depressão é muito complexa e difícil de ser diagnosticada, pois um dos seus principais sintomas pode ser confundido com tristeza, apatia, preguiça, irresponsabilidade e em casos crônicos como fraqueza ou falha de caráter. 
É muito comum ouvir as pessoas dizerem que estão “deprês” ou deprimidas, quando apenas estão chateadas, estressadas ou porque se desentenderam com alguém. (...)

Na realidade este desânimo perante a vida não é falta de atitude e sim um mau funcionamento cerebral. Porque embora muitas pessoas achem que depressão é frescura, ela é uma doença, um desequilíbrio bioquímico dos neurotransmissores (mensageiros químicos do impulso nervoso) responsáveis pelo controle do estado de humor."




Em outro site fala sobre os possíveis sintomas da depressão:
"Os sintomas da depressão são muito variados, indo desde as sensações de tristeza, passando pelos pensamentos negativos até as alterações da sensação corporal como dores e enjôos. Contudo para se fazer o diagnóstico é necessário um grupo de sintomas centrais:
  • Perda de energia ou interesse
  • Humor deprimido
  • Dificuldade de concentração
  • Alterações do apetite e do sono
  • Lentificação das atividades físicas e mentais
  • Sentimento de pesar ou fracasso
Os sintomas corporais mais comuns são sensação de desconforto no batimento cardíaco, constipação, dores de cabeça, dificuldades digestivas. Períodos de melhoria e piora são comuns, o que cria a falsa impressão de que se está melhorando sozinho quando durante alguns dias o paciente sente-se bem. Geralmente tudo se passa gradualmente, não necessariamente com todos os sintomas simultâneos, aliás, é difícil ver todos os sintomas juntos. Até que se faça o diagnóstico praticamente todas as pessoas possuem explicações para o que está acontecendo com elas, julgando sempre ser um problema passageiro."

Pois é, eu ando me sentindo assim... Mas tenho certeza de que agora que comecei o tratamento logo estarei me sentindo bem o suficiente para olhar o mundo a minha volta e dizer:

OBRIGADA POR EU EXISTIR!!!!!!!!!!

PS: O texto hoje está curtinho porque não estou mais conseguindo pensar direito... Acho que deve ser o remédio começando a fazer efeito... Agradeço a compreensão de vocês, meus amigos.

quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

A Grande Família

"Família! Família!
Papai, mamãe, titia.."













Qual o significado de família?
"Conjunto de pessoas com relação de parentesco que vivem juntasagregado familiar"
"Núcleo de convivência, unido por laços afetivos, que costuma compartilhar o mesmo teto"
"Grupo social fundamental na sociedade, constituído basicamente de um homem e uma mulher e seus descendentes"
"Todas as pessoas do mesmo sangue, como filhos, irmãos, sobrinhos etc."





Aff!!! Fala sério!!! Família não é nada disso! Família é simplesmente o maior presente que alguém pode receber! E eu tenho um presentão!
Se você considerar a família de sangue, eu tenho minha mãe e meu pai, uma avó (a outra faleceu há cerca de 10 anos e vovô se foi ano passado), uma irmã, dois filhos, dois sobrinhos, quatro tios (dois já se foram), doze primos de primeiro grau e incontáveis outros primos e tios. E quer saber? Eu ADORO cada um deles!!!!


Meu pai é um cara super bacana. Adora jogar vídeo game, ver televisão e dormir. Já está aposentado, então tem tempo de sobra para fazer tudo isso. E adora pão!!!!! Lembro que quando eu era criança eu adorava comer o miolo do pão e tinha sorte porque meu pai não gostava (aliás, não come até hoje). Então quando íamos lanchar eu sempre sentava ao lado dele para catar os miolos que ele tirava do pão... Hoje em dia minha mãe não deixa mais eu fazer isso... Diz que engorda... Mas eu faço assim mesmo!!!!!!
Meu pai também costumava me levar no Maracanã. Um português flamenguista. Sorte minha, né? Também costumava me levar para trabalhar com ele. Eu adorava!!! Principalmente se fosse para ir assistir um jogo do Flamengo depois. Ah! E pescar. Ele gostava. Mas ficava com raiva que eu e minha irmã pegávamos os peixinhos do balde e jogávamos de volta no mar... rsrs


Minha mãe é a melhor mãe do mundo! Tem que ser, para me aguentar... Claro que como toda mãe tem horas que ela é muito chata (eu também sou!), mas na verdade não é que ela seja chata, eu é que dou trabalho... Mas é meu papel, afinal, sou filha dela! Eu sempre fui agarrada na barra da saia da minha mãe, coitada... Nem saia de casa sozinha. E ela sempre foi mãezona. E é minha melhor amiga, mesmo que ainda puxe minha orelha...
Ela adora inventar moda! Vive mudando os móveis de lugar e tem muita criatividade. Uma hora está pintando alguma coisa, outra está bordando, depois costurando... E quando vamos ver, já está tudo diferente de novo! Uma das melhores coisas que minha mãe sabe fazer cozinhar. E ela gosta. Adoro a comida dela. De vez em quando ela liga me convidando para almoçar... Lógico que não perco a chance, né? E os pães e bolos que ela faz? Caracóis de queijo, pão trançado, bolinho inglês, bolo de chocolate... Delícia!!!!!!


Minha avó é uma fofa!!!!! É minha segunda mãe. E minha madrinha também. Adora jogar buraco!!! E adora uma farra. Sempre foi uma pessoa muito alegre. Tem uma energia de dar inveja! Sempre digo que quando crescer quero ser como ela. É uma ótima cozinheira, mas as especialidades dela são as empadinhas e os cajuzinhos... Humm... Esse é sempre meu presente de aniversário. Também é uma ótima costureira. Sempre fazia roupinhas para minhas bonecas... Até um vestido de noiva ela fez!!!
Quando eu era criança passava boa parte do meu tempo na casa dela. Adorava!!!! Lá tem um terraço onde costumávamos tomar banho de mangueira e escorregar... E ela sempre entrava na brincadeira! As melhores festas sempre foram lá. Era o point da família. Saudade desse tempo...


Meu avô era o melhor do mundo!!!!! Velho teimoso e turrão, taurino como eu, mas era a minha grande paixão. E que homem bonito!!!!! Tinha um bigode que durou quase que a minha vida toda. Há uns dois anos que resolveu tirar, dizia que estava dando trabalho para cuidar... Tomei um susto!!!! Nunca tinha visto meu avô sem bigode em mais de 30 anos. E o cabelo? Sempre arrumadinho, impecável. Ele ficava danado que quando eu chegava bagunçava o cabelo dele todo... Nem preciso dizer que ele era meu padrinho, né?
Ele gostava muito de trabalhar com madeira. Fazia cada coisa linda! Quando eu era criança ele fez um jogo de móveis de boneca para mim e outro para minha irmã. Tinha armário, cômoda, uma banqueta e cama. E tudo ficava guardado dentro de um baú lindo! Ele também fez um berço para minhas bonecas... Outra coisa que ele gostava muito era de chupar laranja... E eu também! Sentava do lado dele e me lambuzava. O problema era a dor de barriga depois!!! Saudades dele...



Minha irmã, bem... Minha irmã era um modelo a ser seguido. Sempre admirei muito a beleza e o jeito dela. Quando pequena eu dizia que queria ser igual à ela quando crescesse. Minha irmã sempre foi muito inteligente. E bonita. Eu ficava feliz da vida quando as pessoas diziam que eu parecia com ela, embora eu não concorde com isso... Ela também sempre teve mais juízo que eu. Mas adorava implicar comigo... Coisa de irmã mais velha, eu acho.
Quando éramos crianças ela dizia que se eu não cuidasse bem do meu ursinho Angeloso (aquele ursinho carinhoso que tinha asinha) o pai dele ia entrar pela janela quando eu estivesse dormindo e levaria ele embora, voando. E eu, muito boba, acreditava!!!!!!!! Nem gostava de dormir com a janela aberta com medo... Só eu mesmo... Mas apesar de me enganar desse jeito, ela sempre foi o que eu queria ser. E ainda acho que ela é um modelo a ser seguido.


Meus filhos eu costumo dizer que são a Bela e a Fera. Ela é um docinho (azedo!), linda e fofa. Malcriada que só! Mas cheia de charme e delicadeza. Ele é um ogro. Chato  e teimoso (é taurino também...). Mas é gentil e educado. Os dois me enlouquecem, cada um a sua maneira. Mas os dois também me divertem. Dois adolescentes que não tem um pingo de juízo. Duas crianças que se acham adultos. Dois amores da minha vida.
Minha filha é a criança mais feliz que já conheci. Já passou por várias provações na vida mas nunca deixou de sorrir. Chegou no momento mais inesperado possível, mas chegou para fazer de mim uma pessoa melhor. Costumo dizer que ela é o anjo que Deus mandou para minha vida. É super vaidosa. Adora usar batom, pintar unha, usar vestido. E adora ir no mercado! Se deixar vai todo dia. Gosta muito de conversar também. Como fala!!!! É uma verdadeira princesa!
Meu filho me enlouquece!!! Perdi as contas de quantas vezes caiu e se machucou. Já tomou ponto na cabeça, quase perdeu um dedo, quebrou o braço... Não para quieto um minuto!!!!  E é bonito!!!! Vaidoso como a irmã. Se deixar toma banho de perfume e creme. Mas tem que ser assim, né? Afinal, está na idade de impressionar as meninas... Sempre digo que ele é meu braço direito e esquerdo. Apesar de todo trabalho sempre me ajudou muito. Uma verdadeira fera!!!!!





E tem meus sobrinhos. Tico e Teco. Duas figuras!!!!!! São super inteligentes e engraçados! Falam cada uma... Infelizmente quase não nos vemos, mas quando estamos juntos é só diversão!!!!! Sou daquelas tias que gosta de se jogar no chão, rolar e curtir. Afinal, tenho que aproveitar o tempo em que estou com eles, senão depois crescem e nem vão saber quem sou. Quando ligo eles sempre perguntam: "Tia Raquel, quando você vem na minha casa brincar?" Isso é bom sinal, né?





Tinha a minha outra avô. Uma portuguesa, bordadeira de mão cheia! Era linda!!!! Tinha cabelos de algodão, branquinhos e macios. Sempre admirei muito a força dela. Era lúcida e independente, com quase 90 anos. Era na casa dela que a família (por parte de pai) se reunia. Teve sete filhos e quatorze netos, imagina a festa! Mas infelizmente ela se foi... E a família se dispersou... Agora tenho tios e primos espalhados pelo Rio, Minas, Brasília, Bahia, São Paulo, Inglaterra, EUA... O bom é que se eu quiser viajar posso escolher para onde ir, mas sinto falta deles... Ficamos anos sem nos ver, e isso não é bom...





Por parte de mãe tenho vários primos e tias de segundo grau (minha mãe é filha única...). E essa galera vira e mexe se reúne. E aí a festa está formada! Mesmo que não seja... Até enterro vira festa! E vou falar, que família bonita que eu tenho!!!! Tanto por parte de pai quanto de mãe... Não tem ninguém feio. Ou chato. Eu tenho uma família perfeita. E eu amo a minha família. E mesmo que estejam cada um em um canto, estão todos no meu coração. E assim, estão todos sempre juntos.




E é para minha família que hoje eu digo:
OBRIGADA POR VOCÊS EXISTIREM!!!!

terça-feira, 3 de janeiro de 2012

Amigo é coisa pra se guardar...

"Debaixo de sete chaves, dentro do coração...."















Hoje eu vim decidida a falar sobre o filme do Rei Arthur que assisti. Estava super empolgada! Mas qual não foi a minha surpresa ao ver que já tenho uma amiga no meu blog!!!! E que amiga!!!!

Você deve estar se perguntando: "E daí? É só UMA! Uma única pessoa, que diferença isso faz?". Sim, faz muita diferença. Pelo menos para mim. Primeiro porque é uma pessoa que gosto muito. Segundo porque não importa se é uma ou duas ou vinte. É uma amiga. E cada amiga minha (ou amigo) é especial!

Eu sempre disse que amigos são os irmãos que nós escolhemos. Uma família que temos a chance de conhecer ao longo de nossa vida. Não importa o tempo ou a distância que nos separe, amigos verdadeiros sempre estão lá quando precisamos. Seja para chorar ou rir, desabafar ou brincar nos dar bronca ou conselhos. Eles sempre estão lá. 
Então hoje, por causa dessa ÚNICA amiga no blog, resolvi fazer uma homenagem à vocês, MEUS AMIGOS!




"Amigo é coisa para se guardar no lado esquerdo do peito
Mesmo que o tempo e a distância digam "não"
Mesmo esquecendo a canção
O que importa é ouvir a voz que vem do coração"

Tem aquelas amigas que fazem parte da minha vida há mais de 20 anos... Amigas com quem estudei e matei aula; que dormi na casa delas ou elas na minha; dividi segredos, viajei, fui ao cinema, festas, enterros... Amigas com quem escrevi minha história. Amigas-irmãs. Amigas que, apesar dos caminhos diferentes que seguimos, permanecem na minha vida. Mesmo depois de 20 anos... Uma casou e mudou. A outra tem uma filha que mais parece irmã. Mas continuam sendo minhas amigas. E agradeço a Deus por isso. 

Tem aquelas amigas de mais de 10 anos. Amigas que estiveram ao meu lado em momentos difíceis, em momentos que me senti sozinha. Mas elas estavam lá. Para me lembrar que eu não estava, que eu tinha amigos. Amigas que viram meus filhos crescerem e se tornaram parte da minha família. Essas também são minhas amigas-irmãs. A mais nova foi embora para o Japão. A do meio também casou e mudou. E a outra, bem... A outra é um presente de Deus. E mesmo com a distância que nos separa, eu sei que posso chamá-las de amigas. E agradeço a Deus por isso também.

Tem os amigos de mais de cinco anos. Aqueles que chegaram na minha vida no meu momento de maior triunfo. E deles também! Eu fui muito abençoada por Deus porque quando entrei na faculdade tive a sorte de encontrar não amigos, mas uma verdadeira família! Logo no primeiro dia formamos um grupo que nunca mais se separou. Nunca imaginei que isso aconteceria na faculdade, mas aconteceu. Conheci amigos muito especiais com quem passei cinco anos maravilhosos da minha vida!!!! Amigos que apesar da correria da vida adulta (pois é, tivemos que nos tornar adultos...), continuam sendo os mesmos amigos de sempre. Uns casaram, outros tiveram filho, todos construíram uma vida, mas ainda estão lá. Meus amigos. Meus irmãos. Minha família. E eu amo cada um deles! Cada um com seu jeitinho. Cada um com suas manias. Cada um com suas chatices. Mas quem disse que não são os amigos perfeitos? E eu agradeço todos os dias por ter cada um deles na minha vida!!!!!
PS: Essa é a galera que deu início aos mulambos. Depois outros foram chegando. Mas não são menos especiais por isso!

Tem os amigos de pouco mais de um ano. Os amigos da pós... Mais uma vez a vida me deu um grande presente! Mais uma vez encontrei um grupo maravilhoso onde eu menos esperava! Em um lugar onde você espera que vai encontrar concorrentes profissionais eu encontrei outra família. Amigos maravilhosos que não tem medo de ajudar uns aos outros. Amigos que sabem que tem lugar para todo mundo no mercado e se não tiver... Nós criamos!!! Amigos que mesmo durante as férias, quando a maioria quer distância de estudo ou qualquer coisa que lembre estudo, lá estão eles: no email, no facebook, msn, Skype, telefone. Na sua casa se você quiser, precisar, convidar. Porque eles são amigos. São os meus amigos. E agradeço muito por ter conhecido cada um deles! Mesmo aqueles com quem tenho menos contato... 

Tem também os amigos virtuais. Amigos que entraram na minha vida através de um interesse em comum ou por causa de outro amigo. Esses não são menos importantes. Alguns acabam me conhecendo mais que os amigos reais porque nos falamos quase que diariamente. A distância não impede uma amizade de acontecer, apenas precisamos fazer com que essa amizade saia do mundo virtual.

Claro que existem outros amigos. Mas todo mundo tem seu(s) amigo(s) preferido(s). Esses de quem falei entraram na minha vida em momentos marcantes. Momentos de alegria ou tristeza. Momentos de vitória ou derrota. Mas o que importa de verdade é que eles entraram e ficaram. 

E tem os amigos mais novos... Um é mais novo em todos os sentidos. Só tem 15 anos. Mas é um grande amigo. Felizmente gosta de rock (e não de funk, thank God!!!!) e estamos esperando o Iron Maiden voltar ao Brasil para irmos ao show. Adoro conversar com ele. É um grande garoto e um grande amigo. E o outro... Bem... O outro é o meu amor. Meu grande amigo. Meu amigo-amor ou meu amor-amigo. Enfim, você entendeu... 

E é para os meus amigos que hoje eu digo:

OBRIGADA POR VOCÊS EXISTIREM!!!!!!


PARA VOCÊ, COM CARINHO.

"Tenho amigos que não sabem o quanto são meus amigos. Não percebem o amor que lhes devoto e a absoluta necessidade que tenho deles.
A amizade é um sentimento mais nobre do que o amor, eis que permite que o objeto dela se divida em outros afetos, enquanto o amor tem intrínseco o ciúme, que não admite a rivalidade.
E eu poderia suportar, embora não sem dor, que tivessem morrido todos os meus amores, mas enlouqueceria se morressem todos os meus amigos!
Até mesmo aqueles que não percebem o quanto são meus amigos e o quanto minha vida depende de suas existências ...
A alguns deles não procuro, basta-me saber que eles existem. Esta mera condição me encoraja a seguir em frente pela vida. Mas, porque não os procuro com assiduidade, não posso lhes dizer o quanto gosto deles. Eles não iriam acreditar. Muitos deles estão lendo esta crônica e não sabem que estão incluídos na sagrada relação de meus amigos. Mas é delicioso que eu saiba e sinta que os adoro, embora não declare e não os procure. E às vezes, quando os procuro, noto que eles não tem noção de como me são necessários, de como são indispensáveis ao meu equilíbrio vital, porque eles fazem parte do mundo que eu, tremulamente, construí e se tornaram alicerces do meu encanto pela vida. Se um deles morrer, eu ficarei torto para um lado. Se todos eles morrerem, eu desabo!
Por isso é que, sem que eles saibam, eu rezo pela vida deles. E me envergonho, porque essa minha prece é, em síntese, dirigida ao meu bem estar. Ela é, talvez, fruto do meu egoísmo.
Por vezes, mergulho em pensamentos sobre alguns deles. Quando viajo e fico diante de lugares maravilhosos, cai-me alguma lágrima por não estarem junto de mim, compartilhando daquele prazer ...
 Se alguma coisa me consome e me envelhece é que a roda furiosa da vida não me permite ter sempre ao meu lado, morando comigo, andando comigo, falando comigo, vivendo comigo, todos os meus amigos, e, principalmente os que só desconfiam ou talvez nunca vão saber que são meus amigos!
 A gente não faz amigos, reconhece-os."
 (Vinícius de Moraes)

segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

A difícil arte de ter sobre o que falar...

Hoje meu filho me perguntou: 
- Sobre o que é seu blog? 
E eu respondi: 
- Não sei, não tenho um tema específico... 

Então pensei, sobre que assunto vou falar hoje? Sobre meu dia? Não tem nada de mais para ser dito... Cuidei dos filhos e da casa, traduzi (adoro!!!), terminei e enviei uma prova, recebi a visita da minha avó (uma fofa!!!), a chuva não parou... O que tem de interessante nisso? É só uma vida comum...
E foi nesse momento, sentada na frente do computador pensando sobre o que falar, que meus olhos se desviaram para o calendário, aquele que fica lá embaixo no cantinho... E vi que hoje é dia 2 de janeiro. E o que tem dia 2 de janeiro? Nada. 
Mas me dei conta de que falta um mês para o aniversário do meu amor

E então resolvi falar dele. Bem, não exatamente DELE (ainda não está na hora) mas das (ótimas!) influências que ele exerce sobre mim. E esse assunto rende...
Comecei a pensar em tudo de maravilhoso que aprendi ou melhorei com a ajuda do meu amor. Nós temos muitas coisas em comum. Muitos gostos, ideais e desejos parecidos. E é sobre algumas dessas coisas que decidi escrever.


A primeira, minha grande paixão (e que, para minha surpresa,  descobri que indiretamente foi ele o responsável!) é o Rock. 
Desde os meus 12, 13 anos ouço rock. Adoro o som da guitarra, da bateria e principalmente dos dois juntos. E gosto de rock pesado. Metallica, Iron Maiden, AC/DC, Pearl Jam, Aerosmith... 
Com ele passei a ouvir Motörhead, Black Sabbath, Lynyrd Skynyrd, The Cult, Candlebox... 
Mas me apaixonei mesmo foi pelo Black Label Society!!!! A guitarra e a voz de Zakk Wylde (esse cara aí do lado) são perfeitas!!!!! Fiquei viciada e pra você (talvez) entender o porquê, dá uma olhada nesse vídeo:







Uma outra paixão minha são os livros. Eu amo ler!!!!!! Descobri esse prazer por volta dos 14 anos e nunca mais larguei. Já li de tudo (ou quase). Até Paulo Coelho, mas pula essa parte...
Ele também gosta de livros, mas nesse ponto nossos gostos são um pouquinho diferentes. Ele gosta de Stephen King e eu... bem... eu tenho medo! Não ria de mim!!!!!! 
Mas através dele (meu amor) eu tive a oportunidade de ler O Rei do Inverno: As Crônicas de Artur Vol.1, escrito pelo inglês Bernard Cornwell. Não sei se eu já contei, mas sou APAIXONADA pelas histórias do Rei Arthur!!!!! E fiquei mega empolgada quando vi essa trilogia na estante da casa dele!!! Claro que tive que pedir emprestado, né? E a mãe dele (dona do livro), que é tão maravilhosa quanto ele, emprestou. 
Foi uma leitura fascinante! Diferente de todas as histórias que já tinha visto sobre Arthur. E segundo o autor, é uma narrativa baseada em alguns fatos reais. Eu mais que recomendo. Se tiver interesse, leia a sinopse aqui:





Outra coisa que temos em comum, são os filmes e seriados. Um muito bom que ele me apresentou e assistimos juntos é Sons of Anarchy, uma série americana sobre a vida de um Motoclube. 
Não preciso nem dizer que tem muitas motos e rock 'n roll, né? 
Não conhece? Gosta de moto, ação e rock 'n roll? Então devia conhecer... Assista ao trailler:
E essa aqui é a música tema de abertura. Muito boa:


Temos muitas outras coisas em comum: adoramos pizza e inglês britânico; detestamos praia, calor, verão; queremos conhecer a Inglaterra... Eu poderia passar horas aqui falando sobre o que temos em comum (ou sobre ele!), mas vou deixar para um outro dia porque se eu contar tudo de uma vez não sobra assunto para amanhã...

Então, espero que tenha gostado das dicas de hoje. E acostume-se em me ver falando DELE (assim mesmo, sem nome...), afinal não se esqueça de que ele é uma das pessoas para quem eu sempre digo:

OBRIGADA POR VOCÊ EXISTIR!